segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Folhas e Peles




Este título, por mais estranho que possa parecer, revela a grande diferença que há entre a maldita religiosidade e a fé. Digo maldita religiosidade, sem medo de errar ou estar pecando, pois estou convicto que a religiosidade é uma maldição que tem, a cada dia, levado milhões de pessoas, de diversas religiões (inclusive as ditas evangélicas), para o inferno. E isso vem acontecendo, porque a religiosidade sempre buscou o caminho mais fácil.
Vejamos o caso de Adão e Eva.
Após pecarem ao desobedecerem uma determinação de Deus, Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si.” (Genesis, 3:7).
Veja, que eles próprios coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si, quando seus olhos se abriram para o pecado. Assim, visando encobrir seus corpos (e logicamente seus pecados), buscaram uma solução. A solução humana, a qual sempre penderá para o caminho mais fácil, pois, que dificuldade houve em conseguir algumas folhas? Podem tais folhas ter sido pegas, até mesmo, do chão. Não havia sangue, muito menos vida naquela atitude.
E, o que é a maldita religiosidade, senão uma solução humana, que serve para muitos, como instrumento na busca do perdão de Deus ante o pecado? A religiosidade busca a sensação do dever cumprido, mesmo ante uma ação conscientemente errada. E não se lida com o pecado com o “sentir”, mas sim com o “ser”.
Tanto é que aquelas folhas de figueira usadas por Adão e Eva (folhas estas que representam a religiosidade), era frágeis, não duráveis e não os protegia do frio. Somente davam uma sensação de se estarem cobertos, mas não funcionou. Tanto é que no versículo 10, do mesmo capítulo 3 do Livro de Genesis, Adão disse a Deus: “Ouvi a tua voz no jardim, e, porque estava nu, tive medo, e me escondi.”. Veja: Adão estava nu novamente. E sabe por quê? Porque a religiosidade, embora busque, e até dê, uma sensação de cobertura espiritual, é momentânea, não dura; e não dura porque se mantém na base dos sentimentos. E os sentimentos não salvam, nem salvarão, quem quer que seja, do inferno.
Entretanto, diz o texto sagrado que “Fez o SENHOR Deus vestimentas de peles para Adão e sua mulher e os vestiu.” (Genesis, 3:21).
Agora estamos diante de uma solução não mais humana, mas divina para resolver aquele problema, trazendo o perdão. Foi Deus quem fez aquelas vestimentas de peles de animais para Adão e Eva. Agora eles tinham uma vestimenta que os protegia do frio, durável e que, de fato, cobria os seus corpos (pecados).
Vale lembrar que, para se conseguir tais peles, necessariamente deve haver a caça, a captura e o derramamento do sangue do animal (e neste caso animal grande, cuja pele pudesse cobrir os corpos de Adão e Eva). Havia vida na solução divina apresentada por Deus. 
Assim como aquelas folhas representavam a religiosidade, as peles representam a fé viva no Deus Vivo, e somente através do derramamento de sangue se conquista o verdadeiro perdão dos pecados.                                  O sacrifício deste animal pelo SENHOR Deus, o qual remiu o pecado de toda humanidade (na época toda a humanidade eram Adão e Eva) tipificou o sacrifício do Senhor Jesus Cristo que, anos depois, também pode remir toda a humanidade de seus pecados.
Digo “pode”, porque não depende Dele, mas sim de cada um que O aceitar como Senhor e Salvador de suas almas. Uma vez usando a fé viva no Deus Vivo, todos seus pecados serão remidos pelo sacrifício da cruz do Calvário, pois esta é a solução divina para por fim a toda acusação.
Em nada tem a ver com a maldita religiosidade...

Leia também Genesis, 4:3-5

Pr. Marcelo Bianco




Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...